segunda-feira, 29 de março de 2010

Chiropotes passo 6


O sexto passo é definir o pêlo,trabalhando as zonas
de luz e sombra com mais definição.
Estamos quase lá...

Chiropotes passo 5


Retomando a ilustração,
iniciei o trabalho de volume da pelagem ,
utilizando luz e sombra.
Vamos aos poucos criando o volume e a sensação
de pêlo na pintura.
Para refinar a pelagem vou passar agora para
um pincel mais fino.
Pode ser o Tigre série 482, número 2

sexta-feira, 26 de março de 2010

Chiropotes passo 4


Iniciei a pintura da base do Caxiú.
Trabalho com preto e azul-ultramar.
O próximo passo é trabalhar as sombras,
escurecendo ainda mais o preto da base.
Amanhã não vou postar nada pois estarei em campo,
vendo minhas aves em São João Nepomuceno.
Domingo retomo a ilustração.
Inté!!!

Chiropotes passo 3


Agora o galho já está quase pronto.
Trabalhei com a sobreposição de tinta
na base precriada.
Umedeça todo o galho e vá trabalhando
com a tinta branca para criar os musgos.
Depois crio as rachaduras e após iniciar a ilustração
do macaco, vou trabalhar as sombras.

Chiropotes passo 2


Iniciei a base do tronco.
Usei branco, terra-de-sombra-queimado e
um toque de azul-ultramar.
O próximo passo é finalizar o galho.
Note que após colocar o tronco, a folhagem parece se "afastar" do 1° plano.

Chiropotes passo 1


Iniciando a ilustração, trabalhei
a vegetação de fundo da prancha.
Escolhi para a composição o
Ingá-do-brejo (Inga vera).
Nesses casos, procuro deixar o
fundo menos detalhado para
não "brigar" com o tema principal
da prancha que nesse caso é o Caxiú.

Chiropotes Abinasus


Iniciando a ilustração de um
cuxiú-de-nariz-branco
(Chiropotes albinasus).
Trabalho que estou relizando junto a
Fundação Cristalino.
Vou aumentar o tamanho das patas e
diminuir um pouco o papo...
-Quero agradecer ao Amigo
Alex da Riva do Cristalino
Jungle Lodge, pelo apoio e as informações
para a realização deste projeto.

quinta-feira, 18 de março de 2010

Saída de campo


Domingo passado, dia 14,
fomos a campo, Eduardo Brettas e
eu.
Algumas fotos dessa manhã proveitosa:

-Pegada de Lobo-guará (Chrysocyon brachyurus)

- 2 vistas da borda da mata na Fazenda Floresta

-Arbusto dentro da mata, (Psychotria nuda) onde vimos o beija-flor-de-fronte-violeta (Thalurania glaucopis).
-Agradeço a Fátima Salimena, botânica do
Herbário da UFJF pela identificação

Melanerpes flavifrons


Finalizando uma pintura em acrílico sobre tela
no formato 27x35 cm deste belo Pica-pau.
O Benedito (Melanerpes flavifrons).
Faltando finalizar o tronco e a pata.


segunda-feira, 1 de março de 2010

Leptodon cayanensis finalizado


Chegamos ao fim.
Trabalhei as penas e procurei realçar
as "estrias" mais escuras que ele possui nas secundárias e
nas coberteiras.
Vou iniciar o jovem que por sinal é muito
diferente do adulto.
Gaviões além dessas mudanças de jovens para adultos, ainda apresentam fases de cores diversas.
Só pra complicar...
Abraço e

Inté!!!!!

Leptodon cayanensis passo 5


Agora estou trabalhando a luz e sombra
para finalizar a ilustração.
Paciência que chegamos lá!!!

Leptodon cayanensis passo 4


Passei uma base de cinza, e azul cerúleo
sobre a cabeça.

Leptodon cayanensis passo 3


Agora já fiz a base do dorso, asa e cauda
Usei brnaco, preto e cinza com um
toque de ultramar....

Leptodon cayanensis passo 2


Comecei trabalhando o galho,
as patas e a região do bico e olhos.
A técnica é a mesma do Tucano da lição anterior.
Faça uma base de branco sobre todo o desenho
para auxiliar nos detalhes e dar uma impressão
"aveludada" na pintura.

Leptodon cayanensis


Hoje vamos acompanhar o passo a passo
da criação de uma prancha de identificação
de Leptodon cayanensis.
Primeiro vou ilustrar o adulto, depois o jovem e a
silhueta de vôo.
Prancha de guache sobre Canson 200 grs.
Esse papel é legal para criar ilustrações como essas.
Eu só não o recomendo para grandes trabalhos,
pois sua gramatura é baixa.
Nesses casos prefira um papel como o Fabriano ou o Montval
300 grs.
Meu guache é o Talens, Holandês , pincéis da Tigre, série 442 ou 482,
tamanho 12 ou 10 e o 2 para detalhes.